AEROPORTO DE CAMPO GRANDE TEM MAIS DE 40 NOTIFICAÇÕES DE LASER EM AVIÕES

Luz ofusca visão de pilotos e pode causar acidentes; ato é considerado crime

Raio laser incide e se espalha pela cabine, prejudicando visão dos pilotos (Foto: Divulgação)
Raio laser incide e se espalha pela cabine, prejudicando visão dos pilotos (Foto: Divulgação)

Uma brincadeira perigosa tem se tornado frequente no Aeroporto Internacional de Campo Grande: apontar raio laser nas cabines de aeronaves durante pousos ou decolagens. De janeiro até esta quarta-feira (23), o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) registrou 43 notificações de raio laser no aeroporto da Capital.

Nesta semana, a Polícia Militar (PM) foi acionada para pelo menos três ocorrências sobre o fato. Conforme os militares, quando a pessoa que está emitindo o laser é identificada, ela é encaminhada à Delegacia de Polícia Civil e pode responder criminalmente.

De acordo com estatísticas do Cenipa, nenhum dos casos registrados na Capital provocou acidentes, mas foram relatados como consequências do ato a distração e ofuscamento da visão dos pilotos, que coloca em risco a segurança da tripulação e pode vir a causar acidentes graves, além de danos à visão do piloto, como queimaduras e hemorragia na retina.

O ofuscamento da visão ocorre porque quando o raio laser incide no avião, o brilho se espalha por toda a cabine, prejudicando a visibilidade, tanto da pista quanto do painel da aeronave.

ONDE MAIS ACONTECE

As principais regiões apontadas como fonte de emissão do raio laser são os bairros União e Serradinho, que ficam nas proximidades do aeroporto, e a avenida Duque de Caxias, onde costuma haver aglomerado de pessoas.

Conforme relatório enviado ao Cenipa, o principal laser apontado é de cor verde, mas também há ocorrências com laser de cor vermelha. Os pilotos informaram ainda que a situação está se tornando frequente e que ocorrem de forma intencional.

COMBATE AO CRIME

A reportagem do Portal Correio do Estado entrou em contato com a Polícia Militar na tarde desta quarta-feira (23) para obter o número de ocorrências atendidas e de pessoas encaminhadas à delegacia, mas foi informada que o setor responsável já havia encerrou o expediente.

De acordo com dados do Cenipa, apontar caneta de raio laser verde ou vermelha para um avião é considerado crime de atentado contra a segurança do transporte aéreo, previsto no artigo 261 do Código Penal Brasileiro, que dispõe sobre expor a perigo aeronave ou praticar qualquer ato que possa impedir ou dificultar a navegação aérea.

A pena prevista para o crime é de dois a cinco anos de prisão. Caso o ato resulte em queda ou destruição da aeronave, a pena aumenta para quatro a 12 anos.

Quem flagrar uma pessoa apontando raio laser em direção a aviões, deve denunciar à polícia. Além disso, o Cenipa tem um canal especial para receber notificações em seu site. Fonte Correio do Estado.