AGÊNCIA DE OBRAS ERA “MINA DE OURO” DE ESQUEMA CRIMINOSO

Com salário mensal de R$ 11.331,66, recebido enquanto exercia a função de gerente de obras viárias da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul), Hélio Yudi Komiyama – com ajuda da esposa, sem renda declarada, e do filho, com remuneração de R$ 8 mil – alcançou o feito da multiplicação: conseguiu comprar três lotes no luxuoso Parque Residencial Damha, um apartamento no Edifício Manoel de Barros e um veículo BMW.

Segundo investigação da Polícia Federal, pelo menos R$ 197 mil foram pagos em dinheiro. Esta é uma das informações levantadas pela Polícia Federal na Operação Lama Asfáltica, que descobriu a fonte de tamanha prosperidade:  a inesgotável mina de ouro que tornou-se a Agesul no esquema de desvio milionário em verbas públicas. Fonte Correio do Estado.