BRASIL SOFRE CONTRA DONAS DA CASA E PERDE PARA CHINA UM ANO APÓS QUEDA NO RIO

O desafio era dos mais tensos. Jogo em Nanjing contra as donas da casa, atuais campeãs olímpicas e algozes do Brasil nas quartas de final da Rio 2016. Uma China que manteve a base, contra um Brasil ainda em reformulação depois da derrota olímpica. Os ingredientes eram todos favoráveis às donas da casa, que souberam se impor e venceram por 3 sets a 0 (25/22, 25/17 e 29/27) no primeiro duelo do time de Zé Roberto na fase final do Grand Prix.

O resultado obriga o Brasil a vencer o duelo com a Holanda, às 8h30 (de Brasília), com transmissão da Rede Globo e Globoesporte.com. O time forma ao lado da China e da Holanda o grupo J da fase final do Grand Prix. As equipes se enfrentam dentro dos seus respectivos grupos e as duas melhores de cada chave passarão à fase semifinal. Se vencer, o Brasil espera o resultado de China x Holanda na sexta-feira, às 8h30. No outro grupo estão Estados Unidos, Sérvia e Itália. A Sérvia saiu na frente, vencendo nesta quarta os EUA por 3 sets a 2 (25/22, 25/17, 23/25, 18/25, 15/11).

O duelo brasileiro com a China começou equilibrado na pontuação, mas com um detalhe decisivo: o Brasil errava bem mais que as donas da casa. Foram nove pontos cedidos em falhas brasileiras, contra apenas um ponto em erro chinês. Com Ting Zhu inspirada, a China fechou o primeiro set em 25/22.

No segundo set, a China abriu 4 a 0 e Zé Roberto perdeu a paciência de vez. Parou o jogo e deu uma bronca generalizada. Reclamou que o time estava permitindo demais o ataque de Ting Zhu, uma das remanescentes de 2016. Pouco adiantou gritar. O primeiro ponto brasileiro só veio no 6/1.

A reação só chegou quando a China já tinha feito 12/6. Natália cresceu, Adenízia melhorou, a China passou a ter erros forçados. Num ace de Rosamaria, a diferença ficou em um ponto pela primeira vez no set. Um bloqueio de Adenízia saiu por milímetros – as jogadoras chegaram a comemorar o que seria o empate. A euforia deu lugar ao desânimo, e a China recuperou o controle do jogo e fechou em 25/17.

No terceiro set, o Brasil conseguiu ficar à frente do placar pela primeira vez no jogo. Mas durou pouco. A China virou fazendo 7/6, e a partir dali a diferença ficou no máximo em três pontos para a China. Na reta final, o Brasil voltou a encostar e empatou em 21 a 21. A China finalmente se sentia ameaçada, e o Brasil chegou a conseguir dois set points. Mas faltou poder de decisão. A donas da casa empataram, Zé pediu tempo para esfriar a reação. Deu certo e os dois primeiros match points foram evitados. Tandara fez um ace que só se confirmou em desafio, mas jogou o saque seguinte na rede. O nervosismo estava no ar. Tandara parou no bloqueio em seguida, e a China fechou em 29 a 27 com ataque certeiro de Changning Zhang.