BRASILEIROS BATEM RECORDE E CONQUISTAM TRÊS MEDALHAS NA OLIMPÍADA INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA E QUATRO NA DE QUÍMICA

A delegação brasileira obteve o melhor resultado da história na 20ª Olimpíada Internacional de Linguística, que aconteceu na última semana em Praga, na República Tcheca. Dos oito participantes, cinco conseguiram trazer para casa pelo menos uma medalha. Na prova de equipe, o Brasil ficou com o bronze. Além disso, dois estudantes receberam as medalhas de prata e bronze, e um terceiro ficou com uma menção honrosa.

Praga recebeu ao mesmo tempo a Olimpíada Internacional de Química (ICHO), criada há 50 anos. Nela, os brasileiros também bateram recorde, conquistando duas medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze.

Veja abaixo a listas com os participantes em cada evento:

Olimpíada de Linguística:

  • Ana Luiza Nunes (medalha de bronze por equipe)
  • Arthur Corrêa Souza
  • Brendon Diniz Borck
  • Catarina Oliveira (medalha de bronze por equipe)
  • Gustavo Palote (medalha de bronze individual e bronze por equipe)
  • Jade Yarden
  • João Henrique Fontes (medalha de prata individual e bronze por equipe)
  • Pedro Marinho Rocha (menção honrosa)

Olimpíada de Química:

  • João Víctor Moreira Pimentel (medalha de prata)
  • Orisvaldo Salviano Neto (medalha de bronze)
  • Vinícius Figueira Armelin (medalha de ouro)
  • Ivna de Lima Ferreira Gomes (medalha de ouro)

A Olimpíada de Linguística aconteceu entre os dias 25 e 31 de julho. Entre palestras e excursões, os participantes tiveram dois dias de provas – uma individual e uma por equipe. Além do Brasil, equipes da República Tcheca e do Reino Unido ficaram com o bronze, a Bulgária e os Estados Unidos ganharam as duas medalhas de prata, e outra equipe dos EUA levou o único ouro.

No total, 48 equipes representando cerca de 40 países enviaram 192 competidores.

Já a Olimpíada de Química teve a participação de 76 países e foi dividida em duas partes: a primeira teve uma competição prática e experimental. A segundo foi teórica. Em ambas, os estudantes tiveram entre quatro e cinco horas para completar as provas.

Foi a primeira vez que uma equipe brasileira terminou a competição com duas medalhas de ouro na Olimpíada Internacional de Química.

Regras

A classificação de cada um dos cerca de 300 participantes da Olimpíada Internacional de Química é definida de acordo com seu desempenho individual obtido. A nota final é determinada por meio da soma dos resultados dos testes teórico, que consiste em uma prova de 54 páginas, e prático, feito individualmente em um laboratório.

Os medalhistas de ouro são os que terminam as avaliações entre os 12% mais bem colocados. As medalhas de prata são concedidas aos que ficarem entre os 22% melhores. Já as de bronze, a quem estiver no grupo dos 32% com as maiores notas. Com informações do G1 e da Agência Brasil