CARTA COMPROVARIA SOCIEDADE ENTRE ROSELL E TEIXEIRA

Corrupção na FIFA

De acordo com a última edição da Revista Época, Sandro Rosell, ex-presidente do Barcelona, e Ricardo Teixeira, ex-presidente da Fifa e da CBF, eram mais que apenas parceiros de negócios e mantinham uma sociedade através de duas empresas.

Segundo a revista, uma carta comprovaria a relação dos cartolas. O problema é que Teixeira era o representante do Brasil nos acordos com a fornecedora de material esportivo da Seleção, onde Rosell foi dirigente, resultando em um conflito de interesses.

O documento foi apreendido em 2011 no computador de uma das sócias do espanhol e é considerado sigiloso pela Polícia Civil do Distrito Federal. Nela, não constam assinaturas ou datas, as únicas informações são o destinatário (Sandro Rosell) e o remetente, conhecido como “um especialista do mercado financeiro” que teria ficado descontente por não receber um pagamento da sociedade, completada pelo empresário Cláudio Honinggman.

No início do ano o trio foi indiciado pela Polícia Federal do Rio de Janeiro por diversos crimes. Ricardo Teixeira é acusado de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, evasão de dividas e falsificação de documento público – ele comprou um apartamento de R$ 2 milhões, mas declarou ter pagado apenas R$ 720 mil.

A carta detalha a compra da corretora Alpes, em 2008, por R$ 25 milhões de reais. Secretamente, a dupla teria mais sócios no empreendimento. Por não ter recebido o dinheiro, o remetente ameaçava revelar o esquema. O motivo da negociação seria para que a sociedade movimentasse algum dinheiro.

Não é a primeira vez que o nome de Rosell e Teixeira aparece envolvido em negócios suspeitos.  Em 2008, por exemplo, a empresa de uma sócia do espanhol recebeu R$ 9 milhões para organizar o amistoso entre Brasil e Portugal, realizado no Bezerrão, em Brasília. O nome dele ainda aparece em diversas acusações de desvio de parte do pagamento que a CBF recebia pelos amistosos. A empresa que negociava os jogos repassava parte da grana para contas em nome do cartola nos Estados Unidos. Fonte: Band.