‘ESTAVA ANSIOSO PARA COMEÇAR’, DIZ ESTUDANTE QUE PASSOU EM 1º LUGAR NA MEDICINA DA USP EM BAURU

Nesta segunda-feira (26) foi um dia especial para os 60 alunos aprovados na primeira turma do curso de medicina da USP de Bauru (SP). Os estudantes participaram de uma aula inaugural com a presença do reitor da Universidade de São Paulo e também do governador Geraldo Alckmin.

A criação de um curso de medicina da USP na cidade é um projeto de mais de 60 anos que começou a ser realizado em julho do ano passado.Nesta primeira turma foram oferecidas 60 vagas, sendo 18 para os aprovados pelo Sisu e 42 pela Fuvest.

Antes do início do ano letivo, os aprovados foram recebidos com tradicional trote, que teve até banho de lama. Bruno Pereira de 19 anos passou em primeiro lugar no curso pela Fuvest e estava ansioso para o início das aulas.

“Eu estou muito feliz de poder estar aqui hoje, vivenciando essa integração e poder participar das palestras nesse primeiro dia. Eu estava ansioso para começar”, conta o jovem.

João Victor Veríssimo ressaltou a responsabilidade de fazer parte da primeira turma de medicina em Bauru. “É muita responsabilidade construir essa primeira turma, mas eu estou bem ansioso e feliz de fazer parte disso. A gente estuda muito para poder conseguir essa vaga, estar entre os cursos mais concorridos do país.”

Diferente dos outros campi

De acordo com o reitor da USP, Vahan Agopyan, o curso em Bauru será diferente dos já realizados pela USP em Ribeirão Preto e São Paulo. “É um curso novo, com nova abordagem, que vai ter uma competência específica. A ideia é ser um curso onde o aluno se envolve com paciente desde o primeiro ano.”

O coordenador do curso de medicina em Bauru, José Sebastião dos Santos, também ressaltou esse diferencial do contato com a saúde pública.

“É um curso que desde do início, os estudantes vão frequentar os locais onde fazemos a prestação do serviço de saúde pública. Isso envolve toda a rede pública, as unidades de atenção básica e também os hospitais vinculados ao estado de SP. Os estudantes não podem ficar restritos aos ambientes dos campi universitários. O Hospital de Clínicas vai ser um ponto de apoio, mas não se faz tudo de saúde só no HC, temos as unidades básicas de saúde, o Samu, a maternidade. É um curso que vai se basear em problemas reais da saúde pública”, completa.

A criação do curso foi a solução encontrada pela universidade para administração do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais – Centrinho. Atualmente, o Centrinho atende cerca de 70 mil pacientes por ano, tem mais de 600 servidores e é considerado modelo na região.

A faculdade conseguiu um acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, junto com a Secretaria Municipal de Saúde de Bauru, para que o Estado passe a arcar com os custos do hospital. A contrapartida da USP seria utilizar esses recursos para a criação de um curso de medicina no município. Até 2022, a universidade pública espera abrir novas 100 vagas.

Além do curso de Medicina, o Campus de Bauru também oferece os cursos de Odontologia e Fonoaudiologia. Durante toda essa semana, a USP promove atividades de recepção dos novos alunos. A programação segue até quinta-feira (1º) com atividades acadêmicas, sociais e culturais, incluindo a realização de Campanhas Sociais. Fonte G1.