INDEPENDIENTE SEGURA EMPATE, CALA MARACANÃ E É CAMPEÃO

O Independiente é o campeão da Copa Sul-Americana de 2017. Nesta quarta-feira, o time argentino segurou o empate por 1 a 1 com o Flamengo e calou o Maracanã lotado. O “Rei de Copas” ergueu a taça da competição pela segunda vez por ter vencido o primeiro jogo por 2 a 1 e de quebra garantiu uma vaga na Copa Libertadores de 2018.

Já o Rubro-Negro carioca segue em jejum de títulos internacionais. A última conquista foi a Copa Mercosul de 1999. O resultado também mantém a distribuição das vagas da Libertadores do Campeonato Brasileiro. O Vasco entra na fase preliminar e o Atlético-MG está fora da competição. O Galo dependia do título flamenguista para se classificar.

A final começou tensa do lado de fora. A polícia usou bombas de gás para dispersar os flamenguistas que cercaram os torcedores do Independiente fora do estádio. A confusão continuou pouco antes da partida, quando muitos torcedores Rubro-Negros invadiram um dos portões de acesso ao Maracanã.

Com a bola rolando, o Flamengo começou melhor e teve grande chance de abrir o placar com Everton. Aos 12 minutos, ele saiu na cara de Campaña, mas finalizou em cima do goleiro. Diego teve outra boa oportunidade aos 25, quando finalizou em cima da zaga.

O gol só saiu aos 29 em uma jogada de bola parada. Na cobrança de falta, Juan desviou de cabeça, Réver completou na segunda trave e Lucas Paquetá aproveitou a sobra na pequena área para empurrar para o gol.

O Independiente quase não ameaçava, mas conseguiu deixar tudo igual aos 39. Meza invadiu a área e caiu após choque com Cuellar. O árbitro assinalou pênalti e usou o recurso do vídeo para confirmar a marcação, mas mesmo assim o lance foi duvidoso. O jovem Barco, de apenas  18 anos, cobrou bem e fez 1 a 1.

Com 10 minutos do segundo tempo, Reinaldo Rueda colocou o Fla no ataque com a entrada de Vinicius Junior no lugar do lateral Trauco. Logo na sua primeira jogada, o atacante partiu pra cima da defesa e finalizou para fora.

O Independiente voltou a assustar no contra-ataque. Aos 13, Gigliotti saiu cara a cara com César e deu uma cavadinha. A bola estava a caminho do gol, mas Juan tirou em cima da linha de forma salvadora.

A reta final foi de muita pressão flamenguista, mas os argentinos se seguraram na base da raça e ergueram a taça. Fonte Band.