NÚMERO DE VÍTIMAS DE GRUPO DE EXTERMÍNIO PODE CHEGAR A 12 EM CAMPO GRANDE

Grupo de extermínio que agia na região do Bairro Danúnio Azul, em Campo Grande, pode estar ligado à execução de 12 pessoas. Entre corpos em decomposição e ossadas, seis já foram encontradas e outras seis ainda estão desaparecidas. Ontem pela manhã, trabalhos de escavação  levaram  à localização de mais dois corpos enterrados em um cemitério clandestino no Jardim Veraneio.

Segundo as informações, os dois corpos podem ser dos adolescentes Lessandro Valdonado de Souza, 13, desaparecido desde agosto, e Jhenifer Luana Lopes, 17, desaparecida em março. A confirmação de identidade depende de perícia. Restos mortais de outras quatro pessoas identificadas como Ana Cláudia, Bruninho, Alemão e Café já haviam sido recolhidos no mesmo local, desde que foi deflagrada operação, no último dia 10.

As suspeitas são de que os assassinos formam um grupo de extermínio, paralelamente a um esquema de exploração sexual e tráfico de drogas na região da saída para Cuiabá. Isso em razão do grande número de mortes que pode ser atribuído aos seus integrantes.

Conforme a Polícia Civil, Luiz Alves Martins Filho, preso com outros 14 suspeitos, é apontado como pistoleiro  armeiro (fornece armas para crimes) e responsável por chefiar as execuções junto com esquema de tráfico de drogas e exploração sexual de menores. A delegada Aline Sinnott Lopes, responsável pelo caso junto à Delegacia de Atendimento à Infância e à Juventude (Deaij), o bando teria sumido com pelo menos dez pessoas, a contar de 2012.

Posteriormente, foi descoberto que uma delas foi assassinada por rivais em outro contexto. Porém, à medida em que as investigações avançaram, mais ossadas foram descobertas, tanto que Bruninho e Café nem mesmo estavam citados na lista inicial, contabilizando 12 entre mortos e desaparecidos, o que permite supor que outras vítimas ainda poderão ser incluídas. Fonte Correio do Estado.