Operário tem jogador expulso, sofre goleada do Botafogo-PB e é eliminado

Como em oito das nove oportunidades anteriores, a participação do Operário na Copa do Brasil foi curta. O Galo perdeu por 4 a 1 para o Botafogo-PB, na noite desta quarta-feira (13), no Morenão, e foi eliminado ainda na primeira fase.

O regulamento da Copa do Brasil prevê que o clube melhor colocado no ranking nacional da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) tem a vantagem do empate para se classificar à segunda fase. Fora de competições nacionais desde 2008, quando disputou a Série C do Campeonato Brasileiro, o Galo não aparece na lista e precisava vencer para avançar. O Belo, que joga a Série C, ostenta a 46ª posição.

O gol do Operário saiu dos pés de Alberto, de pênalti, ainda no primeiro tempo. O Botafogo-PB marcou com Dico, Nando (duas vezes) e Marcos Aurélio. 

O Galo jogou com um a menos desde os 36 do primeiro tempo, quando Sávio Pereira Sampaio expulsou o atacante Thiago Miracema por causa de uma cotovelada em Rogério. 

O jogo poderia representar lucro para os cofres do Operário. Com R$ 525 mil já garantidos como premiação por participar da primeira fase, o Galo levaria mais R$ 625 mil caso avançasse, prêmio que terminou nas mãos do clube da Paraíba.

Segundo a diretoria do Operário, 3.145 torcedores foram ao Morenão. Destes, 2.185 pagantes e 960 não pagantes.

A renda das bilheterias somou R$ 46.635,00. Classificado, o Botafogo-PB fica com 60% do valor líquido. O restante é do Operário.

A última participação do Galo na Copa do Brasil havia sido em 2006, quando foi eliminado por outro Botafogo, o carioca, na primeira fase.

Esta foi a décima vez que o Galo jogou a Copa do Brasil. Sua melhor campanha foi em 1990, única oportunidade em que sobreviveu à primeira fase, quando eliminou o Mixto-MT e depois caiu para o Goiás.

O Operário do técnico Arilson Costa volta a campo pelo Campeonato Estadual, no fim de semana. O compromisso é com o Novo, novamente no Morenão, pela sétima rodada. 
Já o Botafogo-PB terá a Tombense-MG, que eliminou o Sport por 3 a 0, como adversária na próxima fase da Copa do Brasil. O jogo será em Tombos (MG).

JOGO
O Botafogo-PB assustou primeiro. Aos nove minutos do primeiro tempo, o meia Marcos Vinicius tabelou com o atacante Nando e saiu na cara do goleiro Jota, que desviou com o pé o chute rasteiro e impediu o gol.

O Operário apostava nos lançamentos nas costas da zaga paraibana, mas caía na linha de impedimento.
As divididas ficavam cada vez mais duras no meio de campo, o que tornou a primeira metade da etapa inicial bastante faltosa.

Mais lúcido com a bola no pé, o Botafogo-PB abriu o placar aos 20 minutos. Marcos Vinicius avançou pelo lado direito e passou para Clayton na entrada da área, que acionou Dico entrando com velocidade pelo lado esquerdo. O camisa 11 bateu rasteiro e venceu Jota.

Dico ainda balançou as redes seis minutos mais tarde, mas em posição irregular segundo o assistente Daniel Henrique Andrade. Na sequência, o zagueiro operariano André Paulino e Dico se estranharam. O árbitro Sávio Pereira Sampaio amarelou o defensor do Galo.

O empate do time campo-grandense saiu aos 33 minutos, após o lateral-esquerdo do Belo, Fábio Alves, desviar a bola com a mão. Alberto cobrou forte, no canto direito do goleiro Saulo, e empatou.

Quando o Operário ameaçava equilibrar as ações, o camisa nove Thiago Miracema acertou o volante Rogério com o cotovelo em dividida pelo alto e recebeu o cartão vermelho direto.

Enquanto o jogador do time paraibano era atendido, o meia Marcos Aurélio e o atacante Nando, os dois do Botafogo-PB, trocaram tapas e empurrões. Desta vez, Sávio Pereira Sampaio apresentou somente o cartão amarelo para o meio-campista. 
As constantes paralisações levaram o primeiro tempo até os 52 minutos de jogo. 

SEGUNDO TEMPO
Na volta do intervalo, o técnico do Operário, Arilson Costa, optou por tirar o armador Jean Carlos para apostar no meia-atacante Emerson Santos.

O Botafogo-PB passou a ter mais a bola e aproveitou a vantagem numérica para fazer o Galo correr dela.

Aos 16 minutos, o veloz Dico venceu a marcação do lateral-direito operariano, Da Silva, e tentou achar Nando na segunda trave, mas Jota interviu.

Três minutos depois, o Botafogo-PB voltou a se colocar na frente. Marcos Aurélio cobrou escanteio e Nando completou de cabeça.

O Belo ampliou aos 21 minutos. Nando resolveu devolver a gentileza e enfiou para Marcos Aurélio no meio dos zagueiros do Galo. O camisa dez teve calma e bateu rasteiro na saída de Jota.

O último prego no caixão operariano foi martelado aos 30 minutos, novamente por Nando, que aproveitou a bobeira da zaga, avançou e tirou do goleiro Jota.

Até o apito final, exatamente aos 45 minutos, o Operário se esforçava na base da vontade, mas a diferença técnica falava mais alto. O Botafogo-PB seguiu assustando nos contra-ataques, mas não conseguiu alargar a goleada.

*Fonte Correio do Estado