SUPERAVIT NAS CONTAS É ILUSÃO, AFIRMA SECRETÁRIO DE FINANÇAS

Relatório orçamentário divulgado na edição de ontem do Diário Oficial de Campo Grande (Diogrande) aponta para o tão esperado equilíbrio fiscal na Capital.

Pelo segundo bimestre, as contas públicas fecharam com superavit (saldo positivo entre despesas e receita). Porém, o resultado é quase anulado em decorrência da herança recebida da administração anterior, segundo explicou o prefeito da Capital, Marcos Trad.

O município fechou o primeiro semestre deste ano com superavit de R$ 326,250 milhões, diante de receitas realizadas de R$ 1,485 bilhão e despesas pagas de R$ 1,157 bilhão.

Conforme o secretário municipal de Finanças e Planejamento, Pedro Pedrossian Neto, esse resultado, no entanto, cria “ilusão” de recuperação das contas públicas, por conta da arrecadação com tributos como o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU).

“Não se iludam com o superavit publicado. Esse resultado ainda é reflexo da alta na arrecadação dos meses de janeiro e fevereiro. A receita é bastante irregular e a realidade é de que, a partir de março, temos registrado um deficit de R$ 30 milhões, aproximadamente, que temos que administrar”, completou. Fonte Correio do Estado.